domingo, 7 de setembro de 2008

O começo

Nada, pensamentos superficiais,

a memória se esvairece,

o momento desfalece,

guardar?


A velocidade do acontecimento é como o vento que leva o imperceptível,

aquilo que não se dá atenção.

Alerta, apreender o mínimo,

a forma do todo.


Sensações,

ah, como quero,

o verdadeiro sentimento,

coragem!


É preciso!

Oh medo, aquele que entrava a verdadeira luz,

existe o que defende de atrapalhos,

esse sim, eu quero!


Necessito de luz!

Aquela que clareia,

expande e eleva,

nos faz SER.


Não me agüento,

sei o que é preciso,

mas falta dar a cor,

faze-la PRESENTE.


Revolucionar ou manter?

É importante TER.

A palavra, o maior dos dons,

o talento em forma de som,

a responsabilidade nos dada,

o comprometimento é o tom.


O Começo,

sem virar do aveso,

estar no verso,

que dá sentido,

une e concede o direito,

eu quero!

2 comentários:

Hudson disse...

O começo do poeta,
Com seu primeiro suspiro formal
O começo do projeto
Com seu poema inagural
Um muro de palavras
Um plano sem envergadura!
Zé do Trilho a cantarolar..
"Beleza pura"

Turi Souza disse...

O começo esta show...

Muitos significados em poucas palavras.. Poesia da fonte... inspiração...

Gostei muito mesmo, continuem o projeto, com certeza renderá bons frutos...