sábado, 19 de março de 2011

Gosto de olhar as pessoas quando jogam xadrez.
Meus olhos seguem estes peões
que pouco a pouco seguem seu caminho
até alcançar a última fileira.
Este peão avança com tal desembaraço
que te faz pensar que chegando a esta fileira
começarão suas alegrias e obterá suas recompensas.
Encontra muitos obstáculos no caminho.
Os poderosos lançam suas armas contra ele.
Os castelos o acometem com suas torres;
dentro de seus campos
velozes cavaleiros pretendem com astúcia
impedir seu avanço,
e por todos os lados, desde o campo inimigo
a ameaça avança contra ele.

Mais sai incólume de todos os perigos
e alcança triunfante a última fileira.

Com que ares de vitória a alcança
no momento exato;
com que alegria avança para sua própria morte.

Porque ao chegar a esta fileira, o peão morrerá,
todos seus anseios eram para isto.
Cai no Hades do xadrez,
e de sua tumba ressucita
a rainha que nos salvará.

Konstantino Kavafis (1863-1933)

Um comentário:

Cevador de solidões disse...

A Camila ia se amarrar.