segunda-feira, 18 de julho de 2011

A relatividade do tempo

Trânsito lento.
Observo o transeunte que só quer transitar
Lá longe ele já vai
Continuo no mesmo lugar.
Olho de um lado ao outro.
Me olho...
Tempo morto.
Duas horas a menos
Duas horas a mais
Duas horas iguais.
Os carros
O bom senso
O respeito
A solidão...
Manter a razão.
Vivamos, pois
O tempo que nos restar
Pois a espera é grande...

GABRIEL P. THIESEN
ABRIL, 2011.

3 comentários:

Luccas Neves Stangler. disse...

Um belo início, meu caro amigo!

G.P.Thiesen disse...

O, meu jovem.
Um bom início, de um principiante, de um 'poeta amador'. Preciso arrumar um tempo para digitalizar meus escritos. A propósito, os teus estão cada vez melhor. Obrigado pela honra de poder contribuir, sei que se não fosse a tua intervenção enfim, até logo. Um abraço, se cuida.

Poeta do Exílio disse...

Gabriel, também gostei de seu escrito! Seja benvindo ao nosso sítio!
:)