sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Labirinto

Estando no profundo não estar ,

De um lugar sem ter ,

Num espaço sem ser,

No disvirtuar-se referenciais,

Não sem rancores e resignação ,

Conjugando-se o escárnio sócio- existencial ,

Quotidiano ,

O júbilo sócio-univérsico ,

Segundal ,

Num misto sublime do sobre-viver ,

Vou-me , às gargalhadas , me fodendo .

A foder .



- Edmundo Arruda.

Um comentário:

Poeta do Exílio disse...

Eu sou fã desse poeta.