segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Eu, DITADURA.

Eu te ensino a não pensar
Eu te ensino a copiar
Eu te ensino a não viver.

Eu te ensino a não ensinar
Eu te ensino a aceitar
Eu te ensino a não escrever.

Eu te ensino a Freire, o Paulo, amar
Eu te ensino a não filosofar
Eu te ensino a não ser você!

Assim é que eu te ensino,
Assim me apresento,
Eu me chamo Educação,
Prazer em conhecê-lo.

4 comentários:

Luccas Neves Stangler. disse...

Escrito em circunstâncias não esclarecidas pelo autor - data: 29 de junho do ano de 2010.

Poeta do Exílio disse...

Porque finge que a dita "dura" te aflige? rs...

Maria Bonita disse...

Me permito não aprender! ;)

Poeta do Exílio disse...

O Freire, no caso da dita, não é 100% o Freire que conhecemos. É um Freire mandrake, distorcido, simplificado...
Pois Freire, o Paulo, incendiaria cada espírito que tivesse contato com seu verdadeiro método, e não o resto de seu método, que foi estragado pela dieta, ops, quer dizer, regime.