quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Compensação

Último olhar... Porto de Salém
As lágrimas ainda escorriam,
Vi seu derradeiro acenar.

Senhor! Ilumine seu caminho!
Nesta guerra sem sentido.
faça-o em breve retornar.

Quando a fé já não faz sentido,
o luxo me foi oferecido.

Hoje o meu guia é o prazer.
José Oliveira, desejo-te um bom jazer!

3 comentários:

Dominique disse...

Ele devia estar fugindo da caca as bruxas em salem!
Qq um portugues, provavelmente catolico, tava fazendo na nova inglaterra ha 350 anos ??
ahahahah!
Alias, existia Salem a 350 anos?rs

ps: gostei do poema!

Zé do Trilho disse...

Lágrimas eternas,
acenos na multidão,
o fronte é o destino,
para a morte sem sentido.

Na trincheira assassina,
a vida tornara-se prisão,
gritos, dor, solidão,
o clamor da libertação

O expresso irá partir,
encaminho-me a eternidade,
dantes disso a imagem,
da bela que perecera.

Restaram sublimações,
o expresso partira,
piuí, piuí, piuí...

Dominique disse...

Piuí,piuí, piuí abacaxi,
xoque, xoque, xoque,
xoque, por aí!