domingo, 8 de fevereiro de 2009


Ando pensando demais.
Exagerando na dose
Dessa droga neurótica
De efeitos letais.
Ó mente, ó razão,
Liberte-me do vício do pensamento
E traga-me de volta ao momento!


Um comentário:

Hudson disse...

Numa hipotética balança que existe em nossa conscicência, o que vale mais: a racionalidade do pensamento cartesiano que a tudo pesa, a tudo mede e calcula ou o estar pelo estar, o sentir pelo sentir, sem se preocupar?
É, acho que também tô pensando demais...